TOCANTINS: Festa da Rapadura na Comunidade do Prata

Comunidade Quilombola do Prata, localizada a 20 km de São Félix do Tocantins

Festa da Rapadura na Comunidade do Prata A Comunidade Quilombola do Prata, localizada a 20 km de São Félix do Tocantins, um dos municípios da região do Jalapão, distante 267 km de Palmas, realiza nesta sexta, 5, e sábado, 6, uma de suas festividades tradicionais, a Festa da Rapadura.

A organização é da Associação de Moradores, que também estará comercializando rapadura e artesanato em capim dourado. O evento, que conta com apoio da Agência de Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), terá início a partir das 19 horas, com desfile para escolha da Garota e do Garoto Quilombola 2019, roda de conversa com os moradores, apresentação dos músicos locais. No sábado, pela manhã, os presentes poderão acompanhar a produção do doce. Antecipando a festa, a gerente de Qualificação Técnica, Maria da Penha de Faria, ministrou oficina de embalagem artesanal para a rapadura na quinta, 4.

De acordo com a superintendente de Turismo, Maria Antônia Valadares, a comunidade deve receber, durante a festa, grande número de turistas, sendo que um grupo do Mato Grosso já se encontra hospedado no Prata. “A festa foi inserida no projeto de turismo de base comunitária, e dá oportunidade ao visitante de conhecer as tradições dos moradores”, explica. Vivência Oferecer atividades que promovam um contato direto entre o viajante e o morador local é a proposta do turismo de base comunitária.

Hoje, após intervenções do Governo do Estado e do Instituto Meio, de São Paulo, o Prata, que possui cerca de 200 habitantes, está habilitado para hospedar até 30 turistas em residências preparadas para esta finalidade. Já o Restaurante Sabor do Quilombo, que fica na sede da Associação, tem capacidade para atender até 40 pessoas com comida caseira.

A produção da rapadura é uma das vivências oferecidas pela comunidade, por meio de moradores como Manoel Francisco de Sousa, que durante o preparo explica todos os passos para se chegar a um dos doces mais tradicionais entre os moradores do interior do Brasil.


Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade